• Treinamento de "inbounds" deste ano 2013.

    Qui, 17 de Outubro de 2013 08:42
  • Primeiro RYLA Nacional

    Ter, 15 de Setembro de 2009 20:36
  • seleção de intercâmbio

    Sex, 11 de Julho de 2014 17:11
  • Programa de Longo Prazo

    Ter, 15 de Setembro de 2009 20:34
  • Jovens do Distrito 4530 finalizam os preparativos para o intercâmbio 2010/2011

    Sex, 24 de Julho de 2009 21:00

Apesar de muitos dos estudantes se mostrarem pessoas maduras, deve-se ter em mente que são ainda apenas adoles centes e que seu principal ponto de apoio e conforto no país é a família que o está recebendo. Se algum problema ocorrer, mesmo que pareça insignifi cante, a família anfi triã deve avisar o rotariano conselheiro imediatamente. Na falta deste, deve-se procurar o presidente do Rotary Club anfi trião ou o presidente da comissão distrital de Intercâmbio de Jovens. Alguns dos problemas mais comuns enfrentados pelos estudantes são:

Falta de proficiência no idioma local

Durante os primeiros dias após a chegada do jovem, fi cará claro se existe algum problema nesta área. Alguns estudam o idioma antes da viajem, chegando às vezes a ser quase profi cientes. Outros precisam de aulas adicionais assim que chegam ao país anfi trião. Contudo, o conhecimento adquirido em livros não os prepara para o uso do idioma em atividades diárias, resultando em mal-entendidos e frustrações quando tentam comunicar-se. Os membros da família anfi triã devem procurar falar clara e pausadamente. É aconselhável checar constantemente se o estudante com-preendeu o que foi dito sobre normas da casa, explicação de caminhos e outros assuntos. É importante lembrar que muitas

vezes o jovem indica ter entendido as instruções simplesmente porque se sente envergonhado de dizer que não compreendeu. Do mesmo modo, a família deve certifi car-se de que entendeu o que o jovem disse, e não hesitar em pedir esclarecimentos. É importante discutir alguns problemas exaustivamente e, em alguns casos, pode ser necessário pedir ajuda a outra pessoa fl uente em ambos os idiomas — um professor, um intérprete ou outro estudante de intercâmbio proveniente do mesmo país.

Saudades da família

Problemas com o idioma com freqüência coexistem com uma questão que cedo ou tarde todo jovem enfrenta: saudades da família. Depois que a excitação pelas novidades do início do intercâmbio desvanece, este pode se sentir sozinho em um lugar estranho. Esta reação é completamente normal. Quando neste estágio, os estudantes têm tendência a exagerar proble mas diários e a sonhar nostalgicamente com a volta a seu país. Saudade aguda pode ser devastadora e o melhor remédio muitas vezes é colocá-lo em contato com alguém que fale seu idioma nativo, e ocupá-lo com uma agenda repleta de ativi dades. Um passeio a lugar interessante, ou simplesmente um evento social, pode ajudar, assim como o encorajamento de hobbies ou da participação em funções comunitárias. No caso de intercâmbios de longa duração, o rotariano conselheiro ou orientador pedagógico podem sugerir novas idéias.

Problemas de saúde

A família anfi triã deve ser informada sobre qualquer atendi mento especial que o estudante possa necessitar, inclusive medicamentos específi cos e óculos de grau, e exigir o envio do histórico médico juntamente com os materiais descritivos do estudante. Todo jovem viaja com seguro médico sufi ciente para cobrir suas despesas médicas durante a estadia no país anfi trião. Este seguro é checado pelo distrito e uma cópia da apólice entregue à família anfi triã.

Problemas alimentares

Alguns estudantes seguem dietas especiais devido a problemas de saúde, opção religiosa ou preferências pessoais, as quais devem sempre ser respeitadas. Muitos alimentos comuns no país anfi trião podem ser novidade para o jovem visitante, devendo este ser encorajado a experimentar novos pratos, mas nunca contra sua vontade ou preferências alimentares.

Problemas escolares

A maioria dos intercâmbios de longa duração requer que o estudante assista aulas em uma escola. Os Rotary Clubs e distritos anfi triões organizam a matrícula e pagamento das mensalidades, mas os pais anfi triões devem auxiliar no conta to com a escola, visitando com o estudante o orientador pe dagógico e organizando seu currículo escolar. Deve-se ter em mente que freqüentemente os participantes de intercâmbio se sentem obrigados a assumir uma carga acadêmica impossível de ser cumprida. O melhor é aconselhá-los a não se inscrever em muitas matérias até que se ajustem à nova escola. O jovem pode também precisar de ajuda para entender procedimentos escolares, pois muitas vezes estes são diferen tes dos seguidos em seu país. Seus irmãos e irmãs na família anfi triã podem auxiliar nesta tarefa. Outro ponto importante é certifi car-se de que o estudante sabe como chegar e voltar da escola e se alimentar quando fora de casa.

Mudança de família anfitriã

A maioria dos estudantes de intercâmbio de longa duração é hospedada por duas ou três famílias no ano escolar para compreender melhor a cultura do país. É importante que tanto a família anfi triã quanto o jovem visitante estejam cientes sobre o tempo de duração da estadia. A primeira mudança é em geral a que o estudante mais sofre, principalmente devido ao vínculo emocional criado com as pessoas que o ajudaram a vencer o choque cultural inicial. Por isso, o jovem deve, de preferência, ser apresentado à próxima família no começo do intercâmbio. O melhor procedi mento para facilitar a transição é que a nova família anfi triã o busque na residência anterior, e que a família antiga lhe faça visitas ocasionais. Se o estudante tiver difi culdade em se adaptar à nova casa, deve receber palavras de compreensão e incentivo para que entenda como esta mudança fará com que conheça melhor a cultura local. A orientação do rotariano conselheiro, de um professor ou de um representante religioso pode ajudar neste momento difícil.