• Treinamento de "inbounds" deste ano 2013.

    Qui, 17 de Outubro de 2013 08:42
  • seleção de intercâmbio

    Sex, 11 de Julho de 2014 17:11
  • Primeiro RYLA Nacional

    Ter, 15 de Setembro de 2009 20:36
  • Programa de Longo Prazo

    Ter, 15 de Setembro de 2009 20:34
  • Jovens do Distrito 4530 finalizam os preparativos para o intercâmbio 2010/2011

    Sex, 24 de Julho de 2009 21:00

Pesquisa sobre o país de destino

O período antes da partida é a fase ideal para estudar o país anfitrião, pois o conhecimento adquirido dará mais confiança e segurança ao jovem. Bibliotecas, livrarias, internet e consulados são boas fontes de referência, com materiais que podem suplementar as informações fornecidas pelo clube ou distrito patrocinador na sessão de orientação. Entre os tópicos pesquisados deve-se incluir história, literatura, artes e principais problemas enfrentados pelo país. Não se espera que o aluno se torne um especialista, mas sim que tenha uma percepção do que o aguarda. Fontes adicionais de dados interessantes são outros jovens que participaram de intercâmbios no mesmo país. Alguns Rotary Clubs e distritos requerem que o estudante freqüente, antes da viajem, um curso do idioma falado no país anfitrião, sendo isso essencial ao sucesso do intercâmbio. Além do fato de facilitar a transição, vale salientar que sem esse conhecimento prévio muitas vezes o visto de estudante não é outorgado. Os participantes devem procurar tornar-se o mais proficientes possível, talvez contatando residentes do país em sua região para praticar a língua.

Cultura do país do estudante

Outra parte importante para o sucesso do intercâmbio é que o jovem se atualize sobre a história e particularidades de seu próprio país. Compreender os valores e costumes locais o ajudará a aceitar as diferenças do país anfitrião. Como embaixador de seu próprio país, inevitavelmente será indagado sobre os costumes, cultura, história, geografia e governo da nação onde reside. Ser capaz de responder objetivamente e com precisão permitirá que se sinta mais confortável no novo ambiente.

Documentos

Vários documentos de viagem devem ser providenciados, inclusive passaporte, visto e vacinas. Além desses, o país patrocinador e anfitrião podem exigir outros. Os dirigentes do programa podem ajudar com os detalhes, mas é responsabilidade do estudante assegurar que a documentação esteja em ordem, inclusive:

  • Solicitar emissão de passaporte assim que o Rotary Club informar a pré-aprovação no programa. Iniciar o processo de pedido de visto logo após o recebimento do formulário de confirmação do Rotary. Com a ajuda do distrito anfitrião, ambos os documentos citados devem ser providenciados o mais cedo possível, para garantir tempo suficiente para o processo e qualquer complementação de dados necessária.
  • Planejar a compra das passagens. Em muitos países, o distrito pode organizar a viajem ou recomendar agências de turismo com preços mais baratos. Deve-se checar com os dirigentes do programa as datas da viagem e tipo de passagem que deve ser comprada.
  • Adquirir seguro médico que cubra a duração do intercâmbio. Esta providência deve ser tomada antes da viagem, com a ajuda dos dirigentes do programa.
  • Levar na viagem um cartão com o registro das vacinas recebidas. Os tipos de vacinas exigidos variam conforme o país para o qual se viaja. O consulado pode oferecer esta informação.
  • Se for requerido, providenciar certificado médico registrando as condições de saúde. O registro deve incluir um cartão com o nome, tipo de sangue, alergias e medicamentos que precisam tomar. O jovem deve sempre levar este cartão consigo.
  • O conselheiro anfitrião pode pedir para verificar toda a documentação e em seguida, guardá-la consigo em local seguro.
  • BAGAGEM
  • Os seguintes itens devem ser considerados:
  • Malas
  • Utilizar malas leves, duráveis, e de fácil manuseio e fechamento. Malas com rodas facilitam a locomoção, mas não são imprescindíveis.
  • Colocar dentro e fora de cada mala, o nome, endereços no país de origem e no país anfitrião, e números de telefone.
  • Levar menos roupas do que pensa ser necessário. O jovem deve ser capaz de carregar suas malas sem a ajuda de ou-tra pessoa, tendo em mente que conexões em aeroportos muitas vezes envolvem longas caminhadas.
  • A bagagem de mão deve ser a mais leve possível, com posta por itens essenciais, como medicamentos e alguns produtos de higiene pessoal. Para segurança, deve-se usar uma pochette embaixo da roupa, com passaporte, dinheiro, passagens, números de telefone de contato e outros documentos importantes.
  • Se levar algum medicamento, incluir as receitas originais, pois podem ser solicitadas por agentes da polícia federal. Roupas e itens pessoais
  • Levar roupas que sabe que vai usar, não o que acha que poderá usar.
  • Levar o par de calças ou jeans com o qual se sente mais confortável. É comum o estudante engordar devido ao novo tipo de alimentação.
  • Não levar vários tipos de sapatos sociais, pois dificilmente terá a oportunidade de usá-los. Se for o caso, poderá comprá-los no próprio país anfitrião.
  • Se usar óculos de grau, levar um par extra e uma cópia da receita.
  • Se usar lentes de contato, levar solução de limpeza extra, pois pode-se não encontrar a mesma marca no novo país. Levar uma cópia da receita, para o caso de ser preciso comprar mais lentes. Diversos
  • Uma boa prática é fazer um diário de viagem, registrando eventos do dia a dia, refeições feitas, lugares visitados, amizades travadas, pareceres pessoais, ou qualquer outro tópico considerado interessante.
  • É apropriado levar pequenas lembranças do país natal para a família anfitriã e rotarianos envolvidos no intercâmbio. Elas não devem ser de alto valor monetário, mas representativas da região na qual o estudante reside.
  • Convém lembrar que equipamentos de segurança dos aero portos podem danificar filmes fotográficos, devendo estes ser mantidos na bagagem de mão.
  • Não levar computadores ou jogos eletrônicos, pois estes podem sofrer danos ou afastar o estudante de outras atividades.
  • Algumas vezes é preciso levar transformadores de volta geme adaptadores compatíveis com o sistema elétrico do país anfitrião. Rotarianos da família, clube ou distrito anfitrião podem fornecer esta informação.
  • Também é importante lembrar que não se deve levar uma infinidade de livros, CDs ou similares. Por outro lado, fotos da família, escola, amigos tomam pouco espaço na bagagem, e são ótimas para mostrar à família anfitriã e aos novos amigos. Informações práticas
  • Deve-se estar preparado para emergências, tendo sempre em mãos telefones dos Rotary Clubs, distritos e famílias, tanto do país natal como do país anfitrião. Isto é importante, principalmente em caso de atraso no vôo.
  • Levar somente uma pequena quantia da moeda corrente do país anfitrião e esperar até a chegada para trocar mais dinheiro.
  • O Rotary Club anfitrião pode ajudar a definir a melhor maneira de conseguir moeda local.
  • Lembrar de deixar espaço livre na bagagem, pois há sempre lembranças que podem ser compradas. Do mesmo modo que na ida, somente duas malas e uma maleta de mão poderão ser despachadas na volta.
  • Deve-se usar a jaqueta do Rotary na viagem. Provavelmente haverá outros estudantes viajando na mesma época e isto tornará mais fácil o reconhecimento de todos.